Destaques

  • Olá Dr. fiquei casada durante 7 anos e nunca houve penetração nas nossas relações , sempre sentia-me encomodada .O casamento acabou por essas e outras , mas depois de 3 anos fiquei noiva e também não conseguia a penetração .Fiz alguns exercícios com a minha ginecologista , ela usou um aparelho parecido com aquele que faz ultrasson transvaginal , naquela hora tudo bem , parece até que sou normal , mas estou tentando usar um pênis de silicone para fazer os exercícios lubrifico-o c/ KY gel , mas não tenho obtido um bom resultado .Minha excitação é mais do que normal .O QUE DEVO FAZER ? Obrigada

    Debora, 31 Anos - Ver Resposta

    Oi Débora.
    De fato não vai funcionar utilizando os métodos que você está usando. Pois desse modo você está tratando o sintoma e não a causa. Ou seja, vai continuar.
    É preciso tratar da causa, que pela sua descrição tudo indica que se trate de um problema psicológico. Mas será preciso você passar por uma consulta com um psicólogo que seja terapeuta sexual para uma análise adequada do seu problema e assim ajudá-la.
    Pela minha experiência nesses casos, sei como esse problema causa sofrimento, rompimento de relacionamentos, conflitos internos. Mas você não precisa continuar sofrendo, pois existe tratamento.
    Caso tenha mais alguma dúvida, pode escrever um e-mail ou telefonar para 11 5092-3898.

    Um abraço
    Claudecy de Souza
    Psicólogo – 06/69861
    Terapeuta Sexual
    Psicólogo Comportamental Cognitivo
    www.claudecy.com.br | contato@claudecy.com.br

  • Boa noite doutor.Bem não sei muito bem como começar,mas vou tentar.Sou casada há 12 anos,com meu primeiro namorado,sempre tivemos uma relação gostosa,e de 1 ano e meio pra ca,não tenho vontade nenhuma de fazer amor,nem com ele e nem com ninguem.Sempre fui carinhosa,atenciosa e sempre dei o meu melhor,e tambem sempre cobrei atenção e carinho dele,pois até o simples selinho que sempre cobrei,não tenho.Mas como ele trabalha demais,acha que eu tenho que entender,e aceitar pois alem de ts isso,diz que é o jeito dele.Temos 2 filhos,engordei um pouquinho,quer dizer,para quem tem 2 filhos,me considero bem.Mas ele resolveu pegar no meu "pé" e até chegou a dizer que se daqui alguns anos eu estiver assim,vai me deixar.Devido a tudo isso cheguei a pensar que eu deveria me dar o valor,e me separar,mas não me vejo sem ele,na verdade tenho acho que mistura um pouco de dó,que ele fique sozinho,mas qdo penso que ja passaram alguns anos e realmente ele não mudou..ah não sei,gostaria da sua ajuda.POR FAVOR!!!

    Amanda, 29 Anos - Ver Resposta

    Olá Amanda, parabéns por você procurar ajuda para resolver o que não está bem.
    Com base seu breve relato, parece que a questão do desejo sexual, o "não se valorizar", o excesso de trabalho dele e a questão do sobrepeso, são sintomas, que estão mostrando que a relação de vocês não está bem.
    Tais sintomas não aparecem de um dia para o outro. Ao longo do tempo, algumas insatisfações, problemas e inadequações ocorreram e vocês não deram a devida atenção para solucionar. Porém isso gerou conseqüências que hoje se encontra numa proporção que é visível e incômoda a vocês (que são o que chamei de sintomas), para então você procurar ajuda.
    Muito provavelmente vocês precisarão da ajuda de um profissional, pois, mexer nessa estrutura que foi construída ao longo de 12 anos, não será fácil. Nesse processo cada um tem responsabilidade para a melhoria, o que significa que será necessário entender os mecanismos dessa relação e os comportamentos de cada um dos de vocês dois.
    Você falou em separação como uma possibilidade de resolver o problema. De fato não sei se essa é a melhor alternativa, pois se seus comportamentos - que também contribuíram para a relação chegar aonde chegou - não forem mudados, muito provavelmente você vai repeti-lo na próxima relação.
    Como sugeri acima, penso que você vai se beneficiar muito da ajuda de um psicólogo.

    Um abraço
    Claudecy de Souza
    Psicólogo – 06/69861
    Terapeuta Sexual
    Psicólogo Comportamental Cognitivo
    www.claudecy.com.br | contato@claudecy.com.br

  • Dr. Claudecy. sou casada a 12 anos, namorei dois anos. Me casei virgem. Tenho dois filhos um 10 anos e um de 8 anos. Meu marido me ama, e faz questão de demonstrar. Mas estou ficando louca. Estou apaixonada por um homem q vi uma unica vez, não transamos. Mas nos falamos todos os dias pelo msn e pelo tel. Me pego querendo abandonar tudo pra vive um grande amor com esse homem. Gostaria de poder mudar o q tenho sentido mas não consigo. O q faço pra voltar a viver minha vida traquilamente?

    Nina, 32 Anos - Ver Resposta

    Olá Nina. Sei que você deve estar muito confusa.
    Mas perceba que você coloca no seu e-mail que seu marido a ama e faz questão de demonstrar, porém você não falou do que sente por ele.
    Talvez aqui caiba uma reflexão: há quanto tempo você já não está tão presente nessa relação? Ou quem sabe, há quanto tempo você está "olhando" para outros homens na tentativa de sentir o que talvez a muito tempo não sente na relação ou quem sabe vivenciar pela primeira vez, de uma forma mais madura, experiente, aventuras que nunca viveu?
    É muito comum eu ouvir relatos de mulheres que casaram cedo e só tiveram sexo com um homem, descreverem que a relação não está satisfatória e que sentem a necessidade de se sentirem "vivas", vivendo fortes emoções, se sentindo envolvidas pela relação.
    Cada caso é um caso e necessariamente precisa ser analisado separadamente.
    É muito provável que você esteja sentindo falta dessas "aventuras e paixões", sentindo falta de algo na relação com seu marido, que por mais que ele demonstre que a ama, não é bem desse modo ou isso que você quer ou precisa.
    Acredito que há tempos você deve sentir certo vazio no seu casamento, porém não conseguia nomear, saber exatamente o que é. Mas perceba como você está muito aberta, susceptível, "desejando" algo novo, pois bastou ver esse homem uma única vez que você se apaixonou.
    Imagino o turbilhão de coisas que estão passando na sua cabaça. Mas faz parte da vida. A questão agora e saber o que fazer. Pois bem Nina, não será tão simples assim. Digamos que nesse aspecto emocional você precisará amadurecer mais. É como se ao longo desses anos, nesse aspecto, você se atrofiou, ao invés de crescer, de amadurecer mais emocionalmente. E agora você está frágil.
    Fazer uma reflexão sobre sua vida até aqui, rever seu casamento, valores e sentimentos pelo seu marido, podem começar a ajudá-la a enxergar muitas coisas. Ter um amante nessas condições, confusa como você está, penso que não a ajudará, pois o papel do amante será como o de uma muleta. E do modo como você está carente não é bom. Primeiro precisará resolver muitas coisas internas.
    Pela complexidade dessa situação, penso que você se beneficiará muito se fizer terapia, pois lá estará um profissional que estudou para isso e verá coisas que você não conseguirá ver sozinha.
    Desejo que você consiga resolver essas questões e seja muito feliz.

    Um abraço
    Claudecy de Souza
    Psicólogo – 06/69861
    Terapeuta Sexual
    Psicólogo Comportamental Cognitivo
    www.claudecy.com.br | contato@claudecy.com.br

  • Tenho um porte físico grande 1,83 92Kg Tenho um pênis normal 16 X 4 Porem sonho em ter um bem maior e grosso. Essa vontade me consome e acabei por transformando ela no desejo de ver minha mulher transando com um homem bem dotado, temos fantasiado bastante a esse respeito. Eu fico muito excitado com a idéia e o desejo ficou maior ainda a partir do momento em que ela contou que um de seus antigos namorados tinha um pênis mais grosso que o meu. Pergunto: Como faço para controlar ou até me livrar desse desejo, sinto que já está virando uma obsessão. O Melhor seria procurar esquecer, não tocar mais no assunto, ou o melhor seria realizar a fantasia para que a vontade passa-se.

    Adriano, 35 Anos - Ver Resposta

    Oi Adriano.
    Toda fantasia só é válida quando além de proporcionar prazer não gera culpa e não atrapalha quem a fantasia ou as pessoas envolvidas.
    Pelo seu relato, essa questão está se tornando um problema. Tentar esquecer, como é que você propõe, é muito difícil, e provavelmente você não conseguirá. Caso não consiga, seria bom conversar com um psicólogo para se aprofundar nessa questão e então poder ajudá-lo.

    Um abraço
    Claudecy de Souza
    Psicólogo – 06/69861
    Terapeuta Sexual
    Psicólogo Comportamental Cognitivo
    www.claudecy.com.br | contato@claudecy.com.br

  • Sou casada há 13 anos e desde o início do meu relacionamento, meu marido não consegue ejacular. Temos um relacionamento maduro e firme. Eu o amo muito e sei que é reciproco, porém, mesmo após várias conversas ao longo destes anos, continuamos com o mesmo problema. Porém não estou tendo mais paciência com esta situação, pois para ajudar, além da falta de ejaculação, nossas relações sexual estão diminuindo gradualmente, o que antes era em torno de 1 a 2 vezes por mês, agora tem sido de 2 em 2 meses. Sei que o problema não esta comigo, pois tenho feito de tudo para ajudá-lo neste sentido, ou seja: ele se retrai quando o procuro, neste caso, eu procuro deixá-lo o mais confortável possível, me cuido mantendo o corpo saudável e o fisico também. Procuro ser carinhosa e corresponder a todos os seus gostos, mais isto não tem surtido efeito algum e estou começando a pensar em separação, pois não aceito mais viver desta forma - incompleta. Tem os conversado muito a respeito e ele tem pensado em buscar ajuda profissional. Sei que dificilmente é possível estipular prazo para isto, mais qual a média para a cura?

    Fernanda, 36 Anos - Ver Resposta

    Olá Fernanda. Fico muito feliz ao ver pessoas como você tendo comportamentos como esse, de procurar ajuda, antes de tomar decisões precipitadas. Parabéns por isso Fernanda.
    Pelo que você descreve, parece que além da dificuldade com a ejaculação, existe também a freqüência das relações que não estão satisfatórias para você.
    Fernanda, todo comportamento só se mantém se ele for reforçado, ou seja, se foi bom, se tive algum ganho, vou repetir. É claro que nesse conceito que parece ser simples, existem muitas variáveis que necessitam ser levadas em consideração.
    Quanto à ejaculação, não há problema se não ocorre de vez em quando, porém, quando ela nunca ocorre nas relações ou ocorre muito raramente, causa na outra pessoa uma sensação de vazio, de algo inacabado, é como se sempre estivesse faltando algo. E você, na condição de parceira sabe muito bem como isso é ruim. Ao longo dos anos isso pesa muito, incomoda, desestimula.
    Você fala que sabe que o problema não é com você, pois se cuida e procura ajudá-lo. Que bom. Na grande maioria dos casos de anejaculação (que é o nome para a ausência ou dificuldade de ejacular) o problema está com a própria pessoa. Porém é preciso avaliar cada caso e entender a causa do problema.
    Há outro problema que também está te incomodando, que é a freqüência sexual de vocês. De fato essa freqüência demonstra que provavelmente ele não esteja dando a atenção e tempo adequado para a vida sexual de vocês ou há algum problema que está impedindo-o. Porém, será necessário analisar o porquê disso, o que está causando essa desmotivação para uma vida sexual satisfatória e saudável do casal.
    É importante mencionar que todo esse contexto problemático está denunciando que existem questões necessitando de atenção, de cuidados, seja com ele ou com o casal.
    Que bom que ele está disposto procurar um ajuda especializada, esse é o primeiro passo para a resolução dos problemas. E parabéns mais uma vez por você estar ao lado dele o ajudando, e apesar da vontade de "abandonar o barco" (se separar), você preferiu escolher solucionar o problema.
    Sua pergunta final infelizmente terei que deixar sem resposta, pois qualquer previsão seria mera especulação e eu não estaria sendo ético a agisse dessa maneira.
    Compreendo sua ansiedade e vontade de resolver isso o quanto antes, mas é preciso ouvir vocês, entender a dinâmica do casal, conhecê-los, para então dar um retorno mais adequado com base em fatos.
    Procurem um psicólogo que seja especialista em sexualidade para ajudá-lo. Esse é o caminho. É isso que você fez ao mandar esse e-mail para mim.
    Dependendo da região que estiverem em São Paulo posso indicar algum profissional. Ou se preferirem que eu os atenda, será um prazer.

    Um abraço
    Claudecy de Souza
    Psicólogo – 06/69861
    Terapeuta Sexual
    Psicólogo Comportamental Cognitivo
    www.claudecy.com.br | contato@claudecy.com.br

  • Boa tarde eu só consigo chegar orgasmo se eu pensa em outro homem,quando estou transando com meu marido isto é normal.

    Elaine, 39 Anos - Ver Resposta

    Olá Elaine.
    Existem diversas possibilidades para isso. Dentre elas, pode ser que o modo como seu marido faz não seja bom para você, por isso precisa pensar em outro. Pode ser que você tenha aprendido e ficou condicionada a fazer sexo dessa maneira, por isso, todas as vezes você faz assim.
    É muito comum as pessoas pensarem em outra durante a transa, o que não significa problema ou que não goste da pessoa que está ali com ela. Mas sim, que lembrou de alguém que por algum motivo chamou a atenção. O problema passa a existir quando a pessoa precisa sempre desse recurso. Nesse casa é importante investigar o motivo. Em muitos casos assim, o que percebo pela minha vivência clínica, é que existe alguma insatisfação, alguma coisa não está bem na relação.
    Se isso te incomoda, sugiro que vá atrás para ver o que está acontecendo.

    Um abraço
    Claudecy de Souza
    Psicólogo – 06/69861
    Terapeuta Sexual
    Psicólogo Comportamental Cognitivo
    www.claudecy.com.br | contato@claudecy.com.br

  • Notei que meu namorado ñ gosta de coisas programadas, ou seja marcar pra ir no motel ou coisas assim, quando rola naturalmente ai precebo que ele se entrega, ou quando eu faço tipo joguinho duro vejo mais interesse nele, entao tenho que dificultar o sexo pra notar interesse...depois que ele começou a trabalhar diminuiu muito nossa vida sexual, entao eu tento ñ forçar pra que ele ñ sinta como se fosse obrigaçao...Acho que eu sinto mais desejos do que ele..eu o amo muito, será que meu geito de querer ir no motel fazer coisas diferentes o deixa um pouco manipulado e seja isso a dificuldade? namoramos a 1 ano e meio. me ajude..

    Camilla, 24 Anos - Ver Resposta

    Oi Camila. Como vai?
    Fazer sexo programado, como é o caso de ir ao motel, de fato não anima algumas pessoas, pois elas não estão com vontade ou excitadas naquele momento. Por isso é comum a algumas pessoas imaginarem que se deslocarem até o motel, por exemplo, é trabalhoso, e isso funcionaria como um desestímulo.
    Porém, isso é muito comum acontecer, tanto com homens como com mulheres, e o que pode estar atrás desse comportamento é uma falta de estímulo para tal. Essa falta de estímulo pode ter várias causas, como por exemplo, cansaço, a mente focada em outras coisas, preocupações, a idéia de ir a tal lugar ou fazer tal coisa pode não ser tão interessante/excitante, ou mesmo por causa do comportamento do outro em relação ao sexo ou qualquer outro comportamento que não seja bom, como é o caso de não gostar do modo como a outra pessoa faz sexo, se tem ou não orgasmos, se existe muitas proibições... tudo isso pode gerar uma não vontade de fazer sexo.
    Conversar no sentido de explorar o que está acontecendo, se existe algo que o outro não gosta, permitir que seja apontado comportamentos em você que possivelmente não o agrada, e você também dizer como está se sentindo na relação.
    Quantificar o desejo pode não ser uma tarefa fácil, pois medir pela freqüência nem sempre é uma boa maneira. Pode ser que o referencial dele sobre sexo seja diferente do seu, que os coisas que o excitam seja diferente das que excitam você.
    Quem sabe, perguntar a ele sobre o que o agrada sexualmente pode ser uma maneira de mudar algumas coisas na relação.

    Um abraço
    Claudecy de Souza
    Psicólogo – 06/69861
    Terapeuta Sexual
    Psicólogo Comportamental Cognitivo
    www.claudecy.com.br | contato@claudecy.com.br

  • Me chamo Julia, tenho 34 anos e descendência caucasiana. Namoro, há 05 anos, Fabio, de 42 anos, de descendência oriental. Praticamente moramos juntos. Ele me ama muito, é parceiro pra todas as horas, amoroso, carinhoso, responsável, respeitoso, presente, cozinha bem, e tenho certeza que será bom pai, porém, minha vida sexual é absolutamente frustrante. Nos conhecemos num bate-papo pela internet e estamos juntos desde então. Ele fala sobre casar e seu sonho de ter uma filha. Eu também quero ter família. Fato é que quando nos conhecemos, o primeiro beijo foi dado por mim, e ele, desde o começo, nunca teve iniciativa sexual, fui sempre eu quem tomou a frente. Como ele é um homem de muitas qualidades, eu sempre relevei esse nosso problema sexual, mais, esse assunto tem me incomodado tanto a ponto de não ter certeza sobre a continuidade do nosso namoro. Como se não bastasse, ele broxa, e não é pouco. Ele sente prazer. Já conversei sobre isso com ele, perguntei se ele tem interesse sexual por mim, ele diz que sim. E pergunto porque ele não me procura, ele diz ser o jeito dele – eu sou assim – acho que ele não é gay, também acho que não tem outra. Claudecy, gostaria de saber sua opinião. Obrigada.

    Julia, 34 Anos - Ver Resposta

    Oi Julia.
    Essa resposta dele é interessante - sou assim - Isso é verdade, assim como ele é assim, você e eu sonos de outra forma. A questão complica quando nos relacionamos com outra pessoa e essas diferenças gritam. O que parece ser o seu caso. O que é importa em casos assim é o quanto estamos dispostos a mudar para uma relação mais saudável. Não quando isso não acontece, nós ficamos tristes, mal, frustrados e isso não é nada bom. Vale muito à pena olhar com carinho para sua felicidade.

  • Quero parabenizar pelo site. E gostaria de tirar algumas dúvidas. Tenho 26 anos, meu marido 28. Somos casados a apenas 7 meses e já temos problemas no sentido sexual. Se dependesse só de mim, fariamos sexo pelo menos um dia sim e outro não, mas tem semanas que fazemos 1, 2 dias e isso me deixa frustada. Já conversamos sobre isso e ele diz que seu serviço é muito cansativo e que tem dias que ele não tem disposição. Até entendo mas acho um pouco de exagero. Nossos horários não tem coincidido, eu tenho mais disposição a noite, após o banho e ele pela manhã antes de levantarmos para irmos trabalhar mas, nesse horário eu é que não tenho animo. Outro fato que me intriga e muito, é o de eu ter muita dificuldade de alcançar o orgasmo, quando ocorre é só através do sexo oral, e assim mesmo não é sempre. Com a penetração eu me lembro de ter consiguido umas 2 vezes antes de nosso casamento. Será que tenho algum problema? Nunca contei isso a ele, a única posição que sinto alguma coisa parecida é na tradicional papai-mamãe. Em outras é fracaso total. Uma última pergunta, tem algum processo que o homem possa fazer para conseguir controlar ou segurar para gozar? Meu marido goza muito rápido. Se puder me ajudar ficarei muito grata. Desde já agradeço, um abraço.

    SAR, 26 Anos - Ver Resposta

    Olá SAR.
    Parece que tem diversas questões nesse seu relacionamento para ser revisado.
    É muito natural o casal não ter vontades iguais para a relação sexual, bem como a intensidade. Cada pessoa é diferente da outra, além do mais, é normal que se tenha atividades distintas que um acaba se cansando mais que o outro.
    No entanto quando essas diferenças tomam proporções que prejudicam o relacionamento, quando insatisfação começa ser muito presente, é necessário atentar para essa questão. Parece que é isso que está acontecendo com vocês. Ficará difícil cada vez mais para você continuar nessa condição. É preciso investigar (talvez você não dê conta disso) o por que desse desinteresse por sedo da parte dele.
    Outra questão importante para vista é sua dificuldade para atingir o orgasmo. Sei que você sente prazer, mas fica com a sensação de que faltou algo, não é? Isso atrapalha a relação. Com o tempo, tanto a mulher quanto o homem passam a sentir que falta algo. O homem, muitas vezes tem a sensação de que ele não é capaz de satisfazer a parceira. Algumas mulheres usam o recurso de fingir o orgasmo. É uma péssima idéia.
    Quanto à dificuldade do seu parceiro a controlar a ejaculação, isso é terrível para os dois. Porém é importante vocês saberem que tanto a anorgasmia (o que você tem) quanto a ejaculação rápida dele, tem tratamento. E não existe tratamento para essas questões com medicamento. Mas sim com terapia especializada, pois aspectos psicológicos estão aí envolvidos.
    É preciso que vocês procurem um terapeuta sexual para ajudar a resolver essas questões.

    Um abraço
    Claudecy de Souza
    Psicólogo – 06/69861
    Terapeuta Sexual
    Psicólogo Comportamental Cognitivo
    www.claudecy.com.br | contato@claudecy.com.br

  • Há muito tempo que meu marido me pede para fazer sexo anal com ele, mas tenho hemorróidas e tentamos duas vezes mas senti muita dor e ele não conseguiu efetuar a penetração, eu gostaria de saber se eu posso continuar tentando? Confesso que ñ utilizamos lubrificantes, apenas camisinha, a dor é horrível, mas eu gostaria de satisfazer o meu marido, o que eu devo fazer?

    Carla, 30 Anos - Ver Resposta

    Oi Carla.
    Quem tem hemorróidas, ou propensão para ter, deve evitar o sexo anal, pois normalmente machuca e pode inflamar.
    O uso de lubrificante é muito recomendado para quem quer fazer anal. Mas é importante você pensar em você também, pois nesse caso, satisfazer seu marido significará um sofrimento para você.

    Um abraço
    Claudecy de Souza
    Psicólogo – 06/69861
    Terapeuta Sexual
    Psicólogo Comportamental Cognitivo
    www.claudecy.com.br | contato@claudecy.com.br

Contato

  • (11) 5092-3898
  • contato@claudecy.com.br
  • Av. Bem-te-vi, 333 - Conj. 61 - Moema - SP

Mídias Sociais

Newsletter

Cadastre-se e receba novidades em seu e-mail